Você já ouviu o termo Comunicação pós-culto?

Essa comunicação veio através da cultura digital que está presente na vida de todos e cada vez mais na igreja.
A estratégia é a comunicação que você mantém com os membros depois do culto. Por exemplo, uma pessoa que vai uma vez na semana ou não é frequente, como é o contato da igreja com ela nos outros dias?

As pessoas estão cada vez mais consumindo conteúdo multimídia, tanto é o sucesso das redes sociais e serviços de streaming, como Netflix, Disney+ entre outros.
E tem alcançado cada vez mais pessoas conteúdo dinâmicos e rápidos, como o TikTok e Instagram Reels.

A igreja deve trabalhar com as redes sociais e site/aplicativo próprio, se atentando a formas que cada uma delas funcionam.
Se você criar um conteúdo em formato tradicional, grande e sem dinâmica, seja vídeo ou uma imagem que tenha muito texto, não vai ter um alcance grande.

Um conteúdo na internet, muitas vezes você vai ter um alcance maior que o número de membros da sua igreja.

Também é recomendável separar o perfil da igreja do perfil pessoal do pastor.
O perfil da igreja deve se concentrar em materiais evangelísticos e marketing de eventos e reuniões. Também como toda marca, o conteúdo deve seguir um padrão, ter uma identidade visual.

Já no perfil pessoal do pastor, ele não precisa preocupar tanto com a identidade, colocar conteúdo pessoal, opiniões e posicionamentos teológicos.
No perfil da igreja temos membros, novos convertidos, visitante e pessoas que ainda não foram, viram a página e interessaram. Você deve trabalhar para envolver todos esses públicos.
Já no perfil pessoal do pastor você tem o público que conhece ele ou se identificam.

As 3 principais que indico hoje são Youtube, Instagram e Whatsapp.
No Youtube você pode colocar conteúdos maiores, se atentando a qualidade. Filmagens escuras ou com áudio ruim, com ruído, muito baixo ou estourando, vão contribuir para que alguém veja todo conteúdo.
Instagram deve ser conteúdo rápido, pouco texto, vídeos dinâmicos, se atentar ao formato, como imagens quadradas no feed e “em pé” nos stories e reels.
Whatsapp é conteúdo pessoal e você pode se aproveitar dos grupos. Mas uma coisa interessante é ser permitido apenas aos administradores escreverem no grupo, pois as pessoas podem passar a enviar conteúdo que não tem relação com o tema e com isso se torna irrelevantes para alguns, que saem ou silenciam o grupo, parando de acompanhar e ver informações realmente importantes.

Já no site e aplicativo próprio você pode linkar tudo isso e em alguns casos, até melhor de comunicar a agenda.

Que tipo de conteúdo pode ser trabalhado durante a semana?
Pequenas mensagens temáticas ou expositivas, podcast, trechos ou frases de pregações, lembrar e convidar as pessoas, por exemplo, na sexta para irem na reunião de domingo.
Use títulos que causem interesse, por exemplo, culto de jovens não é interessante. Crie um nome para a reunião ou use o tema da mensagem.

Mantenha o uso frequente, se você fizer uma publicação hoje e voltar só mês que vem, seu perfil não vai ter engajamento, não vai ser considerado relevante e vai ser menos recomendável para outras pessoas.

As redes sociais funcionam por engajamento, que é a popularidade. Quanto mais interação um conteúdo tiver, que são curtidas, comentários, visualizações... para mais pessoas a rede social vai indicar e cada vez mais alcance vai ter. Um conteúdo que parte dos seus seguidores não interajam, não vai ter uma alcance grande em toda plataforma.

Temos as publicações orgânicas, que são as que você coloca gratuitamente e as impulsionadas que são pagas, nesse caso você cria uma campanha que é composta pelo criativo, que é a imagem ou vídeo curto, público alvo, que pode ser aos redores do endereço da igreja e valor e tempo de campanha, por exemplo valor X por 7 dias.

As redes sociais funcionam em cima de um algoritmo, ou seja, o conteúdo que ela indica para você é de acordo com as interações que você fez em outras publicações, então ela exibe mais conteúdos relacionados.

Tenha seus conteúdos dinâmicos, frequentes e com qualidade, sem poluição visual.

Já possui um site/app e ferramenta de gestão interna na sua igreja? Se não, conheça o e-igrejas. Saiba Mais.